Os 4 pontos que precisas de saber ao iniciar carreira como Agente

Os 4 pontos que precisas de saber ao iniciar carreira como Agente

Recentemente decidi iniciar a minha carreira como agente. Apesar de o fazer desde sempre com os meus projectos pessoais como Nova Guarda, WACK ou Dikas, só agora decidi usar os meus conhecimentos para ajudar outros projectos a crescer.

Neste blog já vimos quais as funções de um agente no mundo da música mas nunca nos debruçamos como iniciar uma carreira enquanto responsável pelo agenciamento de artistas.

Partimos logo de um princípio claro, ao ser agente a tua função é estritamente comercial e o que tu tens para vender é fácil, são espetáculos. Em média, vais ganhar 20% do cachet (valor mais ou menos definido de mercado). Isto é, se conseguires vender um espetáculo por 1000€, 200€ são a tua parte. O cachet real para a banda são 800€.

O mercado vai variar consoante o tipo de espetáculo que tens em mãos.

De forma geral, existem 4 pontos que precisas de ter claro antes de avançar:

1) Quem é o teu artista?

Reúne o máximo de informação que puderes sobre o artista, bem com todo o material de comunicação que já possa existir do mesmo. É importante estudar a biografia de todos os elementos envolvidos, saber de onde vem, o que já fizeram, onde já tocaram, com quem já tocaram. Todos estes detalhes podem ser valiosos argumentos de venda.

2) Qual é o posicionamento do teu artista?

Qual é o estilo do teu artista? A quem se parece? Onde tocam os projectos semelhantes? É um projecto para espaços intimistas ou para grandes palcos?

Uma vez, numa conversa com o Luis Varatojo, entendi que por questões de posicionamento, os Naifa não tocam em locais onde a entrada seja gratuita. O seu posicionamento é marcar e tocar em grandes salas com entradas pagas e programação própria. Se as pessoas os puderem ver em festivais de entrada gratuita, a probabilidade de comprarem bilhete para os espetáculos em salas é bastante inferior.

3) Qual é o público do teu artista?

Se respondes a esta pergunta com um “é para toda a gente” é porque não reuniste as informações necessárias no primeiro ponto.

Quem ouve as músicas do teu artista ou do estilo musical que se insere? Que tipo de salas, festivais ou espaços faz sentido? Por exemplo, para os WACK, é normal que procure festivais que tenham público universitário ou secundário. Já para o André Gomes, pianista Jazz, o meu objectivo é conseguir ter salas intimistas , hotéis, ou festivais ecléticos como o EDP jazz Festival.

4) Quanto vale o teu artista?

O valor do cachet do artista não tem a ver, em proporção, com o valor/qualidade musical do artista. Isso seria o mundo ideal, não real. O valor do artista cresce consoante a popularidade e tipo de público.

Qualquer promotor de espetáculos vai olhar para o teu artista como um número. Vai fazer as contas. Quantas pessoas trará este artista à minha sala de espetáculos? Quanto posso cobrar por bilhete para este tipo de público? E só depois vai conseguir entender qual o valor que te vai poder pagar.

 

Estes são os 4 pontos que tens que garantir como primeiros passos a iniciar carreira como agente musical. Conto em breve trazer-te desenvolvimentos deste tópico.

João Moura de Paiva

Managing Partner @ tuff Agency